Gente Empreendedora do Porto #XXIII (Porto Entrepreneurs)

Home/Gente Empreendedora do Porto #XXIII (Porto Entrepreneurs)

Gente Empreendedora do Porto #XXIII (Porto Entrepreneurs)

PT

a minha convidada desta semana na série Gente Empreendedora do Porto tem uma vida repleta de arte e de dança, e desde cedo que essa arte transborda na cidade, pelas ruas, pelos seus diversos palcos e através de um conjunto de artes performativas.
Isabel Barros é fundadora do projeto Balleteatro, e recentemente, apesar de sempre lhe ter estado ligada, está também à frente do Teatro das Marionetas do Porto.
Dois projetos que enchem o Porto de orgulho, dinamizando a sua cultura, cultura imprescindível e tão vital para a alma da cidade.as fotografias foram tiradas na Quinta da Bonjóia, onde actualmente existe um pólo do Museu das Marionetas, e à porta do Coliseu, onde está residente a estrutura artística do balleteatro, num dia de chuva e nevoeiro e com uma luz muito estranha 🙂

EN
my guest today at Porto Entrepreneurs Serie has a full life dedicated to arts and dance, and soon she let that art overflow the city, through the streets and its different the stages, and through a lot of performances.
Isabel Barros is the founder of Balleteatro, and recently, despite always having been close to it, she is also the director at Teatro das Marionetas do Porto.
Two projects filling Porto with pride, highliting city’s culture, culture that is so vital for the city’s soul.pictures were taken at Quinta da Bonjóia, where there is a pole of Teatro das Marionetas, and at Coliseu entrance, on a rainy and foggy day and with a strange light…:)

 

PT
o Balleteatro é um projeto nascido em 1983 pelas mãos de Isabel, a sua irmã Né Barros e Jorge Levi, e que em 1989 deu lugar à criação da primeira escola profissional de dança e teatro no Porto. além de fundadora, Isabel é coreógrafa, intérprete e formadora.
“comecei por dançar ballet clássico com 8 anos de idade, e em adolescente senti que era inevitável viver a minha vida através da dança. Nessa altura viajava muito para Paris, onde tudo se passava a nível artístico e que serviu para mim como um pólo de experimentação. 
De Paris regressei contaminada com a vontade de criar no Porto algo diferente, uma opção que não fosse a dança clássica. Paris exerceu uma grande influência sobre mim, estudei lá dança contemporânea e teatro na Universidade.”
“não sei dizer o que gosto mais, se dança, se teatro, sei apenas que tudo começou com a dança e que essa estará para sempre inscrita na minha vida de uma forma muito especial. “
mas depois gosto de procurar o que as duas artes têm em comum, procurar a tensão ou onde se tocam. é muito diferente falar com actores ou com bailarinos, têm formas de improvisação muito diferentes….
hoje em dia, essa mistura já é mais comum, e desde os anos 90 que já apresentei tanto no Rivoli como no Teatro S.João grandes trabalhos com a mistura de bailarinos e actores. “
EN
Balleteatro is a project born in 1983 by Isabel, her sister Né Barros and Jorge Levi, and in 1989 turned the first official professional dance and theatre school in Porto. Besides being the founder, Isabel is choreographer, performer and programmer.
“I started by dancing classical ballet at the age of 8, then when teenager I travelled to Paris. 
In Paris there was a lot going on regarding culture, and I came with the idea to create in Porto a different offer besides classical ballet. Paris had a great influence on me, there I studied contemporary dance and theatre at the university.
“I cannot tell what I like most, I only can say it started with dancing, and dance will always be special in my life.”
“but then I like to seize for what both arts have in common, seek for they tension, or the point they touch each other. because it is so different when we talk to a ballet dancer, or an actor, it’s different ways of improvise.
nowadays that fact is more common, and sibec 1990 that there were great pieces at Rivoli and Teatro Nac. S. João where I gathered ballet dancers and actors”.

 

PT
o Balleteatro tem actualmente a sua estrutura artística residente no Coliseu do Porto, e é uma escola profissional que forma adultos e jovens e que faz ainda a programação de diversos festivais (festivais de cinema, e festivais de dança em espaços urbanos. Um festival importante é o Festival Corpo + Cidade, festival integrado nos Dias da Dança do Rivoli, a ter lugar em Abril/Maio próximos.
O Porto acolhe bem o teatro e a dança?
acho que sim! em 2001 terá sido o auge. foi o ano do Porto Capital Europeia da Cultura, e onde se começou a perceber que havia público. Logo a seguir houve um período complicado, politicamente pouco virado para a cultura, mas as estruturas continuaram a existir.
em 2013, com a chegada de Rui Moreira à presidência da câmara, é um marco importante, porque o Rui Moreira dá o destaque merecido à cultura e tudo o que sempre existiu e esteve latente volta a aparecer com muito mais força.
já há propostas muito diversas, e há um trabalho contínuo – isso faz com que o público cresça. Há uma dinamismo cultural muito grande, transversal, e é muito importante estar-se atento a todas as áreas, mesmo não sendo a nossa área de atuação.
Há algum espaço que privilegies para a dança?
é difícil responder a essa pergunta, porque gosto de muitos espaços. O Rivoli Teatro Municipal é um dos espaços privilegiados para a dança, mas gostava aqui de realçar o Teatro do Campo Alegre, que é maravilhoso, e claro, O teatro S. João. Mas também gosto de espaços menos convencionais.
Uma peça da tua autoria que queiras destacar ou que te tenha marcado de alguma forma?
uma peça escrita em 2002 com música de Pedro Tudela, que é brilhante. A peça chama-se “Lá où je dors”, é uma reflexão filosófica sobre o lugar dos sonhos.
A peça esteve no Rivoli, e foi um espetáculo arriscado na altura, mas muito bem acolhido pelo público.

 

Uma referência ou alguém que te tenha inspirado?
Pina Baush. Teve um impacto enorme na dança e no teatro.
EN
Balleteatro has its residence at Coliseu do Porto, it is a professional and artistic school forming young people and adults, and also creating programmes for festivals (cinema festivals, and dance festivals – for example Corpo + Cidade – a festival that will take place by April/ May in Porto.
Is Porto a good host for dance and theatre?
yes. the big boom was in 2001, by Porto European Capital, where we started to see that there was an existing public. After that there were some troubled years, politically, but all the structures were there.
by 2013, with Rui Moreira, the actual mayor, it was an important date, as Rui Moreira gives special attention to culture, and everything that existed reappeared in force.
there are now several different proposals, and there is a continuous job, which makes the public grow. There is a great cultural dynamic, transversal, and it is very important to stay attentive to all that is happening not only in our acting area.
Is there a stage of your preference for dancing? 
that is difficult to say, because I like a lot of stages. I think Rivoli is the privileged place for dancing, but Teatro do Campodo Alegre is amazing as well, and of course Teatro S. João. And I like a lot of unconventional stages .
Can you tell us a theatre play that had a great meaning for you?
a piece from 2002, with music by Pedro Tudela. It’s called “Lá où je dors”and it is a philosophical reflexion on the places of dreams.
It was performed at Rivoli, and it was a risky piece by that time, but the public liked it a lot.
A reference or someone that has inspired you?
Pina Baush. she had a great impact on dance and theatre.
PT
agora um bocadinho sobre o Teatro das Marionetas:)
o Teatro das Marionetas é um projecto criado em 1988 por João Paulo Seara Cardoso, marido de Isabel e que Isabel tomou em mãos após o seu falecimento, em 2010.
no início da sua criação, paixão e marionetas juntaram-se, levando a algumas co-criações por parte de ambos – destacando-se a peça 3.ª Estação, em 1994.
Em 2013 Isabel assiste à concretização de um antigo sonho do marido, mas já não em vida deste –  o nascimento do Museu das Marionetas, na Rua das Flores.
“a abertura do Museu das Marionetas não era um sonho meu, mas foi uma sensação de missão cumprida, de missão plena”
O Museu já não está mais na Rua das Flores, mas sim na rua de Belomonte, funcionado o Pólo das Marionetas na belíssima Quinta da Bonjóia, com a Casa da Brincadeira, e onde foi tirada a foto inicial. para Isabel faz todo o sentido que seja lá, uma vez que é na zona de Campanhã que existe a rua João Paulo Seara Cardoso.
“estamos a desenvolver projetos de criação com a população, o que é muito giro. E o facto de ser em Campanhã é muito bom, a cidade está muito centralizada.”
Cinderela, é uma peça de 2016, a partir de um livro escrito por João Paulo Seara Cardoso e dedicado à mulher e suas duas filhas, peça pela qual Isabel tem especial carinho e cujo livro me ofereceu no final da entrevista.
EN
“Teatro das Marionetas” is a project that was born in 1988 with João Paulo Seara Cardoso, Isabel’s husband. João Paulo Seara Cardoso is  no longer with us, but Isabel took the direction of the Theatre in 2010.
by the time, puppets and passion gave place to some co-productions, with highlight to the piece 3.ªEstação performed by both of them, in 1994.
in 2013 Isabel sees her husband’s dream coem true – the Puppets Museum at Rua das Flores.
“the opening of the Puppets Museusm was not my dream, but it was such a great feeling, a feeling of accomplishment.”
 
 
Museum is no longer at Rua das Flores, but at Rua de Belomonte, and the puppets polo is at beautiful Quinta da Bonjóia (Campanhã) with Casa da Brincadeira., and where the first picture was taken. For Isabel, it  makes all sense that it is there, as in Campanha is where the street with the name João Paulo Seara Cardoso exists.
“we are working on nice projects, with the community. and the fact that is is in Campanhã is good, as the city is so centralised.”
Cinderela, is a theatre piece that was performed in 2016, based on a book written by João Paulo Seara Cardoso and dedicated to his wife and two daughters. Isabel has a special care for that piece, and offered me the book at the end of this interview.

 

Isabel Barros
Signo astrológico: Carneiro
Zodiac sign: Aries
Um local de eleição no Porto?

 

A Cantareira, lugar onde passo diariamente e muitas vezes não resisto a fotografar, pelo puro prazer de registar imagens de simplicidade e beleza. Ali deixo que o meu olhar se perca entre o rio e o mar, os pássaros, os barcos e o movimento entre as duas margens. Dali vejo a Afurada com todo o seu encanto tão genuíno. Em cada passagem pela Cantareira guardo sempre uma sensação de cidade plena.

O Melhor do Porto, ou gosto do Porto porque? 

Gosto do Porto, porque sei que de cada vez que saio e volto, é no Porto que quero estar. Gosto do Porto, porque aqui tive vontade de construir projetos e de os partilhar ativamente. Gosto do Porto, porque tem alma, tem raça, tem estilo e sobretudo tem tido capacidade de se renovar, sem perder a memória. Gosto do Porto pela sua beleza, que não sendo arrebatadora, é única.
O Porto é uma cidade com história e com histórias. Uma cidade feita de gente. Não sendo grande consegue ser imensa. O Porto inspira-me todos os dias.

 

Se não vivesses no Porto imaginar-te-ias a morar onde? 


Vivo há 26 anos na Praia da Granja, é a minha Praia, o meu Paraíso. É de lá que venho e a onde volto cada dia passado no Porto, onde trabalho, onde nasci, onde amo estar e onde encontro sempre razões para continuar.
Todas as manhãs é maravilhoso atravessar a ponte e ver a cidade a acordar. Ao Porto chego e parto em cada dia e nesse ir e voltar renovo a minha forma de sentir o meu Porto, aquele que percorro a pé tantas vezes com vontade de descobrir um pouco mais.
Tenho uma segunda cidade no coração, Paris. É lá que volto também muitas vezes, onde vivi e poderia voltar a viver. Mas Paris não tem Mar, e é o Mar que me permite a plenitude.
Um sonho? 
O maior sonho é poder continuar a viajar, continuar a conhecer pessoas novas, lugares novos, continuar a ficar surpreendida e entusiasmada com a diferença. Viajar e conhecer o mundo, é esse o maior sonho, aquele que me entusiasma pensar. No fim de cada viagem sei que cresci um pouco mais, sei que me aproximei do meu lugar de forma diferente, sei que nada é igual. Sei que partir muitas vezes nos ajuda a desprender e a aprender a viver do avesso, descobrindo em nós coisas outras.
Um sonho é uma experiência de imaginação, e nada mais criativo para mim, que pensar, imaginar um lugar desconhecido, sem referências, onde de alguma forma terei de inventar tudo para existir.
Obrigada 🙂
EN
A favorite place in Porto?
Cantareira.It is a place I pass by daily, and I cannot resist taking pictures, for the simple pleasure of taking pictures of simplicity and beauty. I leave there my eyes regarding the river and the sea, the birds, and boats. From there I see Afurada, such a genuine place. Whenever I pass by Cantareira I get that feeling of a complete city.
The best there is in Porto, or why do you like Porto?
I like Porto, because each time I go abroad and come back, I know it is Porto I want to be. I like Porto because it was here I wanted to build my projects, and where I wanted to share them actively. I like Porto because it has a soul, a style, and above all, it has the capacity to renovate, without loosing memory. I like Porto for its beauty, which is unique.
Porto is a city full of history and full of stories. It is a city made by made by people. And being not a big city, it can be huge. Porto is my inspiration every day.
If you were not living in Porto, where you imagine you could be living?
I live at Praia da Granja (2o Kms south Porto) for 26 years. It is my beach, my paradise. It is from where I drive from and where I drive back each day i spend in Porto, which is where i was born, where I love being, and where I always find reasons to go on.
Each day is so marvellous to cross the bridge and see the city waking up. I arrive and leave Porto each day, and each day I renew my way of feeling the city, which I walk along so many times, more and more.
I have a second beloved city, Paris.  There I go back very often, and there I levied and I could live again.
But Paris does not have the sea, and the sea is what makes me have plenitude!
Thank you! 🙂
www.balleteatro.pt
marionetasporto.pt
Próximo espetáculo Teatro das Marionetas/ COMING play by Teatro das Marionetas do Porto:
Como Um Carrossel
March 24th  – 28th
Teatro Constantino Néry
Matosinhos

Série Porto Entrepreneurs XXIII
Pictures and Interview: Paula C.

see complete serie here.

 

By | 2017-05-27T11:06:49+00:00 March 14th, 2017|general, interviews, porto entrepreneurs|0 Comments

Leave A Comment