Gente Empreendedora do Porto #XXI (Porto Entrepreneurs)

Home/Gente Empreendedora do Porto #XXI (Porto Entrepreneurs)

Gente Empreendedora do Porto #XXI (Porto Entrepreneurs)

PT
(prefácio:
o tempo que tenho levado a dar seguimento a esta série está na proporção de quanto eu gosto dela…. Gente Empreendedora do Porto (pessoas com projetos que fazem o Porto acontecer) é sem dúvida uma das rubricas que eu mais gosto aqui no blog, mas devido a mil e uma outras intromissões pelo meio, se tem vindo a arrastar com o tempo….
a ver se é desta que eu lhe dou algum avanço, estejam atentos, vem aí mais um interessante grupo de empreendedores! )
hoje, uma convidada empreendedora nata e de gargalhada fácil – Isabel Tavares – a mentora do projeto Comida de Rua, um dos projetos pioneiros de street food a aparecer no Porto – e que de evento em evento pela cidade (não há evento em que não estejam!!) nos delicia com sandes diversas feitas na hora, batatas fritas caseiras, bôlas, e até bolas de berlim…tudo uma delícia!  – quem não conhece??

 

EN
(preface:
the amount of time I spend with this serie is in the right proportion I really like it….
Porto Entrepreneurs serie (people with projects that make Porto happen) is without doubt my favourite theme here on the blog, but due to thousands of other intrusions, it has been taking a long time…
let’s see if I can speed it now, so stay tuned, there are a new group of interesting entrepreneurs coming next! )
today, my guest is a real entrepreneur and with an easy laughter – Isabel Tavares – the mentor of Comida de Rua project (Street Food), one of the first street food projects happening in Porto – which from event to event in the city (they are present in most of the events!!) is there to satisfy us with delicious hamburguers, home cooked fries, and lately even the famous “bolas de berlin” – who doesn’t know her?

PT
em 2011 Isabel deparou-se com o desemprego, e na busca por uma alternativa para a sua vida e a dos seus três filhos, surgiu a ideia do Comida de Rua.
após algumas buscas e investigações na internet descobriu uma empresa italiana propriedade de um arquiteto que transformava pequenas motas em “cozinhas ambulantes” .
foi amor à primeira vista, e em Setembro de 2012, Isabel e a sua equipa (3 pessoas a tempo inteiro) estavam na rua, mais precisamente no Parque da Cidade no evento das Porto Sunday Sessions.
“a oferta que existia de comida na rua na altura não era propriamente de qualidade, então decidi apostar nesta área.
penso que podemos dizer sem falsa modéstia que somos um dos primeiros Street Food em Portugal, pelo menos com este tipo de apresentação, e com o elemento diferenciador da qualidade da comida.
desde o início que temos connosco o Chef Elísio Bernardes (professor na Escola de Hotelaria do Porto), que nos apoia na concepção de novos produtos”.
EN
in the year 2011 Isabel lost her job, so had to look for a plan B for her and for her three kids. That’s how Comida de Rua was born.
after some researches on the internet, she found an italian company owned by an architect who was transforming little motorcycles into mobile kitchens.
it was love at first sight, and in September 2012, Isabel and her team (3 full time people) were in the street, more precisely at an event at the city Park, called Porto Sunday Sessions.
“by that time the street food offer was not really good, so I decided to bet on this niche.
 I think I can say we were the first project of Street Food in Portugal – with this kind of presentation, and with the good quality of food.
since the beginning that we have with us chef Elísio Bernardes (teacher at the Hospitality School in Porto) and who has been helping us with the creation of new products.

PT

“street food para nós nunca foi comida de plástico, NÃO é fast food. são sabores cuidados, apenas servidos mais rapidamente. é boa gastronomia, é uma experiência nova, agradável e acessível a todos.

 

“e os nossos pontos fortes são precisamente estes: a qualidade dos ingredientes, o facto de ser acessível a todos e o facto de, com a mobilidade que nos caracteriza, podermos acompanhar o fluxo das pessoas e não esperar apenas que nos procurem”

 

passado um ano de terem a mota, em 2013, Isabel sentiu necessidade de ter uma cozinha central, e foi assim que surgiu o espaço fixo no Mercado Municipal de Matosinhos.
a ideai no entanto, foi nunca deixar de apostar na qualidade e frescura dos produtos, e sempre ter em conta a proximidade e o fluxo de gente que caracteriza este tipo de locais.
com a abertura do ponto fixo no Mercado Municipal de Matosinhos, conseguiram aumentar a oferta em termos de produtos, e assim juntar às desde sempre existentes sandes de leitão, salmão, veggie, frango, batatas fritas caseiras e sumos naturais, também um prato do dia (sem nunca esquecer a opção vegetariana, pois claro!!, sopa do dia, bõlas de carne e de cogumelos, sobremesas…… e é nesta altura que entra uma cozinheira nova – a Mi – desde então cozinheira residente e braço direito da Isabel.

EN

“street food has never been for us junk food, it is not fast food. it’s good flavours, but served a little bit more quickly. it is good gastronomy, it is a new experience, pleasant and accessible to everyone.

 

“our strong points are exactly these: quality of the ingredients, food accessible to everyone, and the fact that, being mobile, we can follow the flow of people and do not have to wait for people to come to us.”

 

after one year of having the motorcycle, in 2013, Isabel had the need to find a place for a central kitchen, so they opened the space at Matosinhos Market. but the concept stood the same: quality and freshness of products, always close to the flow of people that characterises these kind of places.
with the opening of fix point in Matosinhos, they could vary the product offer, adding to the ever existing hamburgers (salmon, meat, veggie, chicken, home cooked fries, natural juices), a dish and soup of the day, desserts….and it was by then that the actual cook – Mi – joined the team.
PT
chegados a 2015, abriram mais um ponto fixo, um pequeno quiosque na Estação de Metro do Hostpital de S. João, onde proporcionam um serviço de cafelaria –  o Comida de Rua Grab and Go.
no ano passado, mais um ponto alto no projeto: participaram no programa da SIC Shark Tank,  o que lhes deu grande visibilidade e um sócio novo, um dos tubarões do programa, Tim Vieira.
“aumentamos assim a nossa frota de motas, passando de uma para cinco, em que 2 estão no Porto e 3 em Lisboa. Foi também depois de termos participado no Shark Tank que fizémos um rebranding da nossa marca e com isso tentamos criar um slogan que nos defina:
“Comida de Rua – coração de chef, alma de cozinheira!” 

EN
2015 was the year for another fix point, now a kiosk at S. João Hospital Metro Station, where there is more like cafeteria service – Comida de Rua Grab & Go.
last year, they ook part on the television programme Shark Tank, which gave them great visibility, and we gained another partner, one of the programme’s shark Tim Vieira.
“now we have 5 motorcycles, instead of 1, 2 are in Porto, 3 in Lisbon. Also after the Shar Tank program men we had a rebranding, and we created a slogan that defines us:
Comida de Rua – chef’s heart, cook’s soul!
PT
“queremos continuar a proporcionar comida “à séria”, com textura, sabor côr…mas não somos gourmet, não, somos comida de qualidade, saborosa e bem confeccionada.”
“somos pessoas a servir outras pessoas e a tentar poporcionar-lhes um bom momento. O melhor que posso ouvir de um cliente é que me diga que a comida é caseira, que lhe sabe à comida de casa da avó e no final quer levar para casa, ou recomenda a amigos Adoro isso! :)”
EN
“we want to keep on having real food, with a lot of flavours and colours…but we are nor gourmet, NO, we are good quality food, flavoured and well cooked.”
“we are people serving other people and trying to make them have a good moment. The best I can hear from a client is that the food reminds him of his grandmother’s food, or he wants to take food home, and then recommends it to friends! I love that! 🙂
Picture from  2014 (Paredes de Coura Festival)

 

PT
O Comida de Rua foi um projeto logo bem aceite no Porto?
ser bem ou mal aceite penso que não é a questão. a predisposição das pessoas para algo novo é que foi a dificuldade, ainda por cima com comida.
primeiro estranha-se, depois entranha-se!!
eu sei que em 2012  mal se ouvia falar de street food, hoje em dia já é algo mais comum. Mas o português típico ainda é muito tradicional, e isto de comer na rua sem ter onde se sentar ou alguém a servi-lo, calma lá….
posso dizer que ainda hoje as pessoas mais predispostas para o street food são os estrangeiros ou portugueses mais viajados.
Achas que o Street Food veio para ficar?
acredito que sim, mas ainda tem muito que caminhar. não só em termos de legislação, mas também em termos de quem está do lado de lá, do cliente, e de quem está deste lado, do operador.
não se pense que isto é tudo fácil, é só ter uma mota, vender umas sandes e já está. é preciso ter qualidade nos produtos e no serviço.
neste momento vivemos uma fase de levantar uma pedra e sair um veículo de street food, daqui a uns anos penso que haverá uma seleção natural, só os bons se aguentarão. mas isso é como em todos os negócios.
EN
Comida de Rua project was well accepted from the beginning?
being good or bad accepted is not the question. the dispositions for people to try something new is the issue!. even more with food: first we find it strange, then we get used to it”
I know in 2012 people did not talk about Street Food, nowadays it is more common. but the typical portuguese is still very traditional, and to have food without having a place to sit or without having someone to serve him is sometimes difficult.!!
I can say that still today, people willing to eat street food are always tourists or well travelled portuguese.
Do you think street food has come to stay?
I believe yes, but there is still a lot to work on. not only by the legislation, but also from those who buy, as also from our side.
it is not that easy, to have a vehicle and sell hamburgers.
nowadays we live like we raise a stone and we create a street food project, but I think with time only the good ones will survive. But that happens with all businesses.

 

Isabel Tavares
signo astrológico: virgem
astrological sign: virgo

Um local de eleição no Porto?
Os Jardins do Palácio de Cristal. Acho que é um local lindíssimo mas mal aproveitado, e o Jardim das Virtudes, com aquelas vistas, fabulosas!

O melhor do Porto ou gostas do Porto porque?
costumo dizer que é o seu tamanho QB. Não tão grande como uma capital, nem tão pequeno como uma vila. é o facto de ainda não perdermos muito tempo no trânsito, é ainda podermos dar meia volta e estarmos no mesmo sítio, é ainda  encontrarmos gente conhecida ao virar da esquina, é ainda conhecermos pelo nome os vizinhos, é ainda recebermos tão bem quem nos visita (só pelo simples facto de eles nos visitarem) .
e a combinação especial de termos mar e rio tudo na mesma cidade. Adoro!

Se não vivesses no Porto, imaginas-te a viver onde?
não me imagino a viver fora da minha cidade de forma permanente, já vivi em Vila real, onde estudei e em Aveiro, mas adoro a minha cidade!
mas fora de portugal, talvez Barcelona!

Um sonho?
Profissional: ter um cantinho novo no Novo Bolhão!
pessoal: ver os meus filhos crescer e serem felizes para que eu, dessa forma, possa continuar a sorrir e a ser feliz também!

Obrigada!

EN
Favourite place in Porto?
Palácio de Crista’s Gardens – they are beautiful, but shouud be better seized. And Virudes Gardens, that have those wonderful views!! I love it!

The best there is in Porto, or why do you like Porto?
it’s size, not so big as a capita, not so small as a village. and the fact we can still move around so easily, or turn back and easily be on the same place again. The fact we still find someone we know every around the corner, or know our neighbours by their names. and the fact we welcome so well our visitors, just because they visit us! and that combination of having river and sea in the same city, I love!

If you were not living in Porto, where could you possibly live?
I cannont imagine myself living elsewhere Porto permanently. I lived already in Aveiro and Vila Real, where I graduate, but i love my city!
outside Portugal, maybe Barcelona!

A dream?
a professional dream: to a have a little fix point at the new Bolhão Market.
personal dream: to see my kids growing and being happy, so that I, that way, can also smile and be happy as well!

thank you!

* Mercado Municipal de Matosinhos Lj 30
* S. João Metro Station
* numerous events around Porto and the country
Serie Porto Entrepeneurs XXI
Pictures and Interview by: Paula C.you can see complete serie here.

 

By | 2017-05-27T11:09:20+00:00 February 7th, 2017|general, interviews, lifestyle & people, porto entrepreneurs|0 Comments

Leave A Comment